a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

A lei do mais forte ...

sábado , Jan. 22 2022
7

2.ª Sul- Muches e ...

sábado , Jan. 22 2022
4

TP- Oeiras segue para os ...

sábado , Jan. 22 2022
12

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
61635

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
30158

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
24454

Alenquer empurra Física ...

segunda , Jan. 13 2020
865

AP Lisboa- Treinos ...

domingo , Jan. 11 2015
2141

CF Estremoz conquista o ...

segunda , Jan. 29 2018
1297

3 Cabeleireiro Inicial

Terronia

imgS620I219667T20180424125307

O FC Porto acerta o calendário no próximo sábado em partida no “Dragão Caixa”.
Desta quarta-feira até ao fim de semana, o hóquei em patins em Portugal terá apenas três partidas, fruto da final four da Taça CERS, em que o Barcelos participará. E se o HC Braga será o adversário de Benfica (dia 25) e Sporting (dia 28), no acerto do calendário, o FC Porto terá pela frente, no Dragão Caixa, o Valongo, quinto classificado. Um adversário que esteve, recentemente, 11 jogos sem perder e que Guillem Cabestany, técnico portista, tem na mais alta consideração e respeito.
«Se há uma equipa que nos pode contrariar e roubar pontos no Dragão, é o Valongo. Já o fez há dois anos e não nos permite qualquer tipo de relaxe. Pelo contrário, obriga-nos à máxima concentração», começou por afirmar o técnico, acrescentando elogios aos valonguenses.
«Até ao útlimo jogo [com o Sporting], o Valongo era uma das equipas que estavam a gostar mais de ver. É uma equipa sempre intensa, que dá tudo em pista e com exibições de grande nível. Creio que o calendário não os ajudou, porque tiveram uma pausa longa e talvez por isso não tenham estado tão bem como o Sporting», afirmou, em declarações reproduzidas pelo jornal OJogo.
Até ao final do campeonato, o FC Porto terá que disputar seis partidas, sendo que apenas duas são fora do Caixa, casa azul e branca. Algo que, naturalmente, agrada ao técnico espanhol.
«Quando os jogos se complicam, estar em casa ou fora faz diferença e, obviamente, ficamos mais otimistas perante tantos jogos em casa. Mas o que me deixa tranquilo é o nível de jogo, que nos aumenta os índices de confiança. Contudo, nem tudo se resume aos pavilhões em que vamos jogar», afirmou.

Fonte/Foto- www.zero.zero.pt