a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Federações apresentam ...

sexta , Fev. 26 2021
70

Nomeações para 27 e 28 ...

sexta , Fev. 26 2021
41

AP Aveiro organiza Curso ...

quinta , Fev. 25 2021
30

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
60018

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
27951

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
22317

Hélder Nunes: "Chave da ...

segunda , Mar. 28 2016
1297

SC Tomar com elemento a ...

segunda , Dez. 07 2020
773

GD Sesimbra multado por ...

sábado , Mar. 24 2018
994

2 Barbeiro

18641791 1583662024977790 777683472 o

AE Física D - C.A.C.O. – 6-1

Depois de ter perdido a liderança do campeonato na jornada anterior, a Física regressava a casa na expectativa de poder recuperar a liderança da prova, necessitando para isso de vencer, a equipa que viajou do bairro “alfacinha” de Campo de Ourique e esperar que em Grândola a equipa local escorregasse na recepção ao Benfica “B”, algo que viria a acontecer.
No entanto, convém salientar que a partida também se revestia de grande importância para o popular CACO, que a lutar desesperadamente pela manutenção (ocupando à entrada para esta antepenúltima jornada, o último lugar acima da linha de despromoção) precisa urgentemente de somar pontos.
Sublinhar ainda com uma saudação especial, o regresso às pistas de Carlos “Carlitos” Godinho, que depois de mais alguns meses de paragem forçada (a 2ª na época), na equipa de André Gil, que ainda assim se viu privado do seu melhor marcador André Gaspar (a cumprir o 1º de 2 jogos de castigo), numa época atípica e cheia de infortúnios na equipa Torriense que raramente tem tido todo o seu plantel disponível.
Mas vamos ao jogo, que começou com as 2 equipas a jogarem com uma intensidade fraca a esperarem para ver o que o jogo poderia dar, com o CACO a defender muito fechado, retirando espaços ao jogo interior da Física, que sentia dificuldades em criar ocasiões de golo, ainda assim Garrancho numa rápida transição, enviaria a bola ao ferro da baliza de “Pepe” e pouco depois seria assinalada grande penalidade, a castigar falta de Fraústo sobre Vicente.
Estavam decorridos cerca de 7 minutos de jogo, quando João Lima, abriria então o activo na recarga ao penalty por si executado.
Este golo não alterou muito o rumo dos acontecimentos, sendo inclusive através da conversão de nova grande penalidade, desta feita a punir patim na bola de um jogador do CACO dentro da área, que a Física dilataria a sua vantagem para 2-0, desta vez por Vicente Alves, quando estavam decorridos pouco mais de 10 minutos de jogo.
Ambos os treinadores começam a proceder às primeiras alterações, registando-se na Física a entrada do jovem “Fabinho” Cambão, enquanto no CACO seria o tb jovem Rodrigo “Chochinha” a ser lançado pelo jogador/treinador João “Tocha” Graça.
O jogo tornou-se um pouco mais vivo e o CACO por intermédio de Filipe Nabais, cria a 1ª situação de golo, com “Gordini” a efectuar uma excelente defesa, algo que seria “imitado” do outro lado do ringue por “Pepe” que evita tb o golo na sua baliza a remate de Garrancho.
O tempo foi passando, ambos os treinadores pediram os seus tempos técnicos, e apesar do CACO ter conseguido conquistar paulatinamente algum ascendente sobre o seu adversário, nesta recta final de 1ª parte, seriam da Física as melhores ocasiões de golo, com Garrancho de novo a atirar ao ferro e com Pedro Lourenço a ter uma excelente iniciativa individual, apenas travada por mais uma defesa providencial do Capitão João “Pepe” Gouveia.
Com 2 golos de desvantagem no marcador, esperava-se um CACO cada vez mais “atrevido” neste inicio de 2ª parte, mas João Lima logo no 1º minuto deste derradeiro período de jogo, despejou um autêntico balde de água gelada, nas aspirações dos jovens do CACO (saúde-se a juventude desta equipa, na qual pontificavam 6 jogadores ainda com idade de Sub 20), ao fazer o 3-0 com um desvio subtil, concluindo a melhor jogada colectiva efectuada até então.
Apesar do dilatar da desvantagem, a equipa forasteira não baixou os braços e tentava de novo ganhar algum ascendente na partida, com o jogo a ficar dividido, durante largos minutos e com algumas oportunidades de golo a surgirem junto de ambas as balizas, até que Felipe Nabais na transformação do LD, que penalizou a 10ª falte de equipa da Física, consegue na recarga um golo feliz mas inteiramente justo, que colocaria o resultado em 3-1, relançando de alguma forma a partida, quando ainda faltavam 15 minutos para serem jogados.
Curiosamente este golo teve o condão de despertar os anfitriões, que finalmente assumiram o controle das operações, começando a criar sucessivas ocasiões de golo, sendo “Pepe” o grande obstáculo para o avolumar do resultado por parte da Física, que ainda assim chegaria de novo ao golo a meio deste 2º tempo, desta feita por Garrancho, que já dentro da área, finalizaria com classe, uma grande iniciativa individual do jovem “Fabinho”, fazendo o 4-1
Este golo quebraria em definitivo a resistência dos jovens “alfacinhas”, tendo os últimos 10 minutos, sido quase sempre de sentido único com o g.redes “Pepe” a evitar a goleada, com a equipa da Física a conseguir penas mais 2 golos nas inúmeras ocasiões de que dispôs. Primeiro por Garrancho, que passando pelo meio da defensiva do CACO, faria um golo de belo efeito já dentro a área adversária e mais tarde por Pedro Lourenço, que assistido por Vicente Alves, fecharia a contagem em 6-1.
Registo ainda para a saída de “Pepe” a pouco mais de 1 minuto do final, para a entrada do jovem g. redes Tiago Figueiredo, que ainda teve tempo, para ouvir uma vez mais o “tilintar” da bola no ferro da baliza, aquando do remate de Pedro Lourenço na conversão do LD a penalizar a 10ª falta de equipa do CACO.
Com esta vitória e beneficiando da derrota do Grândola, a Física volta a assumir a liderança da prova, se bem que em igualdade pontual, com as jovens águias do Benfica “B”.

Fonte / Foto – José Carlos Gaspar

workshops para rodapé Noticias DepilaçãoaLinha