a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

No Minho fica a duvida. ...

quarta , Fev. 24 2021
158

Resumo SC Tomar- HC ...

terça , Fev. 23 2021
82

“Ciência ao serviço do ...

terça , Fev. 23 2021
110

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
60012

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
27942

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
22308

Universidade do Porto ...

sexta , Fev. 03 2017
1824

Convocatória Seleção ...

terça , Dez. 12 2017
1344

Bruno Fernandes: "Jogo ...

sexta , Fev. 10 2017
1606

2 Barbeiro

cdb fca

CD Boliqueime – FC Alverca 4-3

Na primeira jornada da Liguilha de acesso à II Divisão, o CDB recebeu e venceu o FC Alverca por 4-3

. Num jogo sempre emotivo, o vencedor só ficou conhecido no último apito, dado o equilíbrio e as alterações no marcador. O CDB foi mais forte no segundo tempo e foi capaz de dar a volta ao resultado, guardando os primeiros três pontos. Com a vitória, a equipa algarvia lidera a liguilha.
Na primeira jornada coube ao Alverca deslocar-se até ao Algarve. O segundo classificado da Zona C esteve na luta pela subida directa até à última semana, em que recebeu e goleou o CF Estremoz. O pavilhão não esteve muito cheio, talvez pela falta de hábito dos jogos serem aos sábados, mas o público foi sempre muito fervoroso.
A equipa ribatejana entrou forte no jogo, tentando marcar cedo. E conseguiu. Na saída de bola, um remate desviado levou a bola a embater no poste da baliza e ainda não tinha sido jogado um minuto de jogo já os de Alverca festejavam o primeiro golo, apontado por Dário Lourenço, depois de uma jogada semelhante. A entrada fugaz dos forasteiros ainda demorou alguns minutos, mas o Boliqueime foi equilibrando o jogo e anulando as investidas adversárias. O jogo foi ganhando velocidade e em alguns momentos esteve mesmo muito aberto, com ataques consecutivos das duas equipas. Numa dessas investidas, Márcio Aldeagas ultrapassou o seu marcador direto e colocou fora do alcance do guarda redes, fazendo o empate. Apesar do bom jogo das equipas, os guarda redes não tinham muito trabalho, respondendo bem aos remates dos avançados. Foi já perto do intervalo que o marcador voltou a sofrer alteração. Após uma falta a meio campo, Miguel Cavaco viu o cartão azul e o FC Alverca teve a possibilidade de voltar à frente do marcador. Bruno Francisco opôs-se bem ao marcador do livre mas em superioridade, os ribatejanos conseguiram mesmo marcar, por Renato Melício.
A perder 1-2 ao intervalo, o Boliqueime teria de reagir para tentar a vitória. E essa atitude foi levada a preceito com os algarvios a entrar melhor no reatamento. O Alverca, já com nove faltas, decidiu defender mais atrás e com maior passividade, o que deu tempo e espaço para a formação da casa atacar. E foi mesmo na marcação da 10ª falta que Márcio voltou a colocar o empate no jogo. O Boliqueime dominava o jogo e parecia estar perto de dar a volta, mas foi novamente o Alverca a passar para a frente, com um remate desviado à entrada da área por Sérgio Camacho. Era a nossa melhor fase e os jogadores não baixaram os braços. O Alverca, em vantagem, recuava por vezes até à sua área defensiva, dando pouco espaço perto da baliza. Assim, Pedro Silva tirou um coelho da cartola e coroou a sua boa exibição com um remate colocadíssimo de fora da área, empatando a três golos. O Boliqueime passou então a pressionar mais na frente, tentando o golo da vitória, deixando algum espaço para os contra ataques ribatejanos, sempre bem resolvidos por Bruno Francisco. O 4-3 nasceu de um livre indirecto de Rafael Miguel, que rematou para grande euforia do público. Já faltava pouco tempo, mas as maiores emoções estavam para vir. A 1'55'' do final, Miguel Cavaco viu o segundo cartão azul e o Alverca teve hipótese de empatar. O guarda redes algarvio evitou o golo e a partir daí o Boliqueime sabia que tinha de jogar em under play até final. Com mais coração do que cabeça, o FC Alverca não teve muito discernimento nos últimos ataques e o Boliqueime conseguia guardar a bola. O Boliqueime tem neste período uma excelente oportunidade a dispor de uma GP que acaba por ser bem defendido pelo guarda redes contrário. Os segundos finais foram caracterizados pela pressão ribatejana, mas a defensiva do Boliqueime, muito concentrada, levou a melhor e guardou os três pontos. Foi um jogo cheio de emoções e uma vitória quase épica, que merecia mais público nas bancadas, mas os adeptos boliqueimenses não saíram defraudados.

Fonte / Foto – CD Boliqueime

workshops para rodapé Noticias EscovaProgressiva