a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Marlene Sousa- “Agora o ...

segunda , Mar. 30 2020
36

Tiago Rafael sético em ...

segunda , Mar. 30 2020
37

Ordoñez e o que falta ...

segunda , Mar. 30 2020
50

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
58441

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
26331

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
20958

Diogo Campos reforça ACR ...

segunda , Jul. 28 2014
2073

Recorde mundial de ...

segunda , Out. 02 2017
906

Tó Silva é o novo ...

sexta , Nov. 28 2014
2334

interiorespluri unhas J

18516024 1575259482484711 1297369675 n

AD Oeiras - AE Física D 6-1

No passado sábado, Oeiras foi palco do jogo mais aguardado da 23ª jornada do Nacional da 2ª Divisão Sul, com a equipa da casa a receber o até então líder do campeonato Física, numa partida onde só a vitória servia, para os comandados de Rui Vieira poderem continuar a sonhar com a subida de divisão.
E realmente a equipa da casa, assumiu claramente essa necessidade de ganhar o jogo, pois foi ela desde o apito inicial, que mostrou uma clara disposição ofensiva perante um adversário algo encolhido que raramente conseguia transitar para o ataque com perigo. Ainda assim e apesar desse ascendente que se foi tornando mais evidente com o passar dos minutos, a organização defensiva da Física, conjuntamente com a segurança que “Gordini” transmitia, iam sendo suficientes para manter o nulo na baliza Torriense.
Sensivelmente a meio deste 1º período, André Gil pede o seu tempo técnico e de uma assentada, lança na partida André Gaspar e “Fábinho” Cambão, jogadores que com a sua irreverencia e acutilância ofensiva, começaram a criar as primeiras dificuldades defensivas aos anfitriões, começando também a sobressair, aquele que em nosso entender haveria de ser uma das Grandes Figuras do jogo, António “Toni” Mendonça que fechou autenticamente a baliza do Oeiras.
Rui Vieira no banco do Oeiras reage a este empertigamento adversário, lançando tb ele de uma assentada Diogo Alves e Chorincas, quando já estávamos nos últimos 10 minutos deste 1º tempo. Poucos instantes depois, é mostrado cartão azul a João Lima, por falta sobre Garção, com o jogador do Oeiras a aproveitar o respectivo LD de que dispôs para inaugurar o marcador.
Esta vantagem dos da casa, não evitou que a Física continuasse a paulatinamente a tomar conta do jogo, e umas vezes Toni e outras o poste da baliza, iam evitando que os muitos adeptos que viajaram do Oeste, festejassem o golo da sua equipa.
Mas como é habitual dizer-se, “quem não mata, acaba por morrer”, tendo sido isso que aconteceu à Física nos derradeiros instantes do 1º tempo. Primeiro quando Paulo Jesus, numa transição rapidíssima eleva para 2-0, na resposta a mais uma flagrante ocasião de golo da Física e poucos segundos depois, quando Tiago Nogueira intercepta mais um perigoso ataque adversário, aproveitando para progredir atá à área contrária, onde elevaria a contagem para 3-0.
Faltavam 2 minutos para o intervalo, tempo suficiente para que a Física pudesse ter reentrado na discussão do resultado, primeiro quando João Lima não conseguiu converter um penalti, a castigar patim de Nogueira na bola, e já nos derradeiros segundos, quando Vicente pecou por excesso de pontaria, levando de novo a bola a embater no ferro da baliza, regressando desta forma as equipas aos balneários com o resultado em 3-0.
Para o 2º tempo, competia à Física correr atrás do prejuízo, no entanto os primeiros minutos foram de equilíbrio, com o Oeiras personalizado a não se limitar a gerir a sua confortável vantagem, ainda assim paulatinamente a Física ia retomando algum ascendente sobre o adversário, que continuava a contar com um guarda-redes em tarde de grande inspiração, negando por mais de uma vez o golo que parecia eminente.
Nesta fase do jogo, os Torrienses tb se podem queixar de algum excesso de zelo da arbitragem que em poucos instantes se encarregou de avolumar o nº de faltas de equipa, que rapidamente chegaram às 10, tendo ainda assim “Gordini” evitado o avolumar do marcador ao impedir desta feita que Garção voltasse a facturar de LD.
Estávamos a meio desta esta derradeira da partida, quando André Gil volta a solicitar o seu tempo técnico, na sequencia do qual a Física surge a pressionar praticamente a toda a pista.
A 13 minutos do fim, Paulo Jesus engancha um adversário e vê correspondente azul, mas uma vez mais a Física desperdiça a oportunidade para reduzir a desvantagem, desta feita por intermédio de Gaspar, que não conseguiu desfeitear uma vez mais Toni, ele que nos primeiros instantes do PWP adversário volta a ter mais 2 intervenções decisivas para manter o nulo na sua baliza.
No entanto esse PWP terminaria abruptamente quando Pedro Lourenço vê cartão azul por hipotética falta sobre Nogueira. Seria aliás o experiente jogador e capitão da ADO a sentenciar em definitivo a partida, quando na recarga ao LD tb por si transformado, eleva para 4-0.
Estávamos já nos derradeiros 10 minutos da partida, e a Física continuava de forma briosa a tentar minimizar os estragos, mas a falta de eficácia demonstrada pelos Torrienses nas bolas paradas foi impeditiva de poderem “sonhar” com algo mais, desta feita foi Garrancho quem desperdiçou mais um LD, desta feita a penalizar uma falta de André “Keké” Martins sobre Gaspar e no PWP que se seguiu, Toni voltou a defender tudo, apenas não conseguindo evitar que Pedro Lourenço conseguisse converter com êxito o LD de que dispôs, na sequencia da 10ª falta de equipa dos anfitriões, reduzindo assim para 4-1 a 7 minutos do final.
Acendia-se uma luzinha de esperança para a “gentes de Torres Vedras”, mas ela rapidamente se apagou, quando Gaspar vê cartão Azul e depois Vermelho na sequencia de protestos, num lance onde é projectado contra a tabela de fundo sem que a respectiva falta seja assinalada.
Esta situação levou a Física a ficar reduzida a 2 jogadores de campo, ainda assim “Gordini” evita que Paulo Jesus converta o LD, mas não consegue evitar que alguns instantes depois Garção eleve para 5-1.
Os ânimos estavam ao rubro, quando é assinalado penalti contra o Oeiras, por falta de Nogueira que não vê cartão neste lance, apesar dos muitos protestos que se faziam ouvir, vindos da numerosa claque que acompanhou a Física.
A verdade é que esses protestos rapidamente se transformaram em frustração, pois desta feita diante de “Fábinho”, Toni voltaria a negar o golo.
Faltavam ainda 2 minutos, tempo ainda para Paulo Jesus oferecer a Chorincas o 6-1 e para o jovem Diogo Miranda, entretanto lançado por André Gil, permitir também ele que Bernardo (que rendeu Toni neste último minuto) defendesse o LD a penalizar falta de Tiago Rodrigues.
Com esta vitória o Oeiras reentra na luta pelos lugares de subida, tendo a Física sido relegada para a 2ª posição da tabela classificativa, onde o líder passa a ser a equipa do HCP Grândola.
A faltarem 3 jornadas para o final as emoções irão ser mais que muitas, na luta pelos lugares de acesso à 1ª Divisão, com a diferença de pontos entre o 1º e o 5º classificado a cifrar-se apenas em 5 pontos.

Fonte / Foto - José Carlos Gaspar

workshops para rodapé Noticias PenteadosdeNoiva