a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Resumo do HC Turquel – ...

terça , Set. 29 2020
7

CP Sobreira apresenta ...

terça , Set. 29 2020
66

Resumo HC “Os Tigres” – ...

terça , Set. 29 2020
15

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
59456

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
27335

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
21726

3.ª – Série D – HC ...

quinta , Jan. 18 2018
802

22ª Supertaça Feminina a ...

quinta , Set. 10 2015
1611

FPP cria Bolsa de ...

quarta , maio 18 2016
1199

Cursos Grupos 2

15590464 1417451251598869 3325956733187437732 n

AE Física AD Oeiras 3 - 2

Um dos jogos mais aguardados da 10ª jornada, disputou-se em Torres Vedras, numa partida que colocou frente a frente, duas equipas que ocupavam o 3º lugar da classificação, e que têm claramente por objectivo a subida à 1ª Divisão.
A Física, que desta feita não pôde contar com o jovem Fábio Cambão (doente), viu Vicente Alves regressar ao lote dos convocados, apesar deste ter acabado por não ser utilizado, continuando desta forma André Gil a ter de recorrer ao seu plantel júnior para efectuar as suas convocatórias.
Do outro lado o Oeiras a apresentar-se na máxima força, com Rui Vieira a apostar inicialmente num 5 que parecia querer privilegiar a segurança defensiva com André Martins (Keké), Tiago Nogueira e Garção a serem completados com a irreverência do jovem Tiago Rodrigues.
Como seria de esperar os primeiros instantes foram de estudo mútuo, embora com o Oeiras a demonstrar mais intensidade nas suas acções ofensivas, diante de uma Física um pouco mais “encolhida”, a jogar na expectativa.
Estávamos nesta toada de equilíbrio, quando “Carlitos” Godinho tem uma grande iniciativa individual, passando por toda a defesa adversária, acabando por ser derrubado em falta pelo guarda-redes “Toni” Mendonça, que acabaria por ser excluído com cartão azul, na sequência da falta cometida.
Para a baliza do Oeiras entrou Bernardo Salvador, que defende o LD executado por André Gaspar, mas que não conseguiria evitar que poucos instantes depois o mesmo Gaspar inaugurasse o marcador, finalizando uma excelente triangulação do ataque Torriense, que aproveitou da melhor forma o PWP de que dispunha.
Poucos instantes depois a Física eleva para 2-0, por João Lima, numa recarga a um remate de “Carlitos”, ainda com o jovem Bernardo na baliza da ADO, ele que de seguida seria de novo rendido por Toni.
Estavam decorridos cerca de 15 minutos, quando Rui Vieira, lança no jogo Diogo Alves e Paulo Jesus, dando dessa forma mais agressividade e velocidade ao ataque da sua equipa. Poucos instantes depois foi a vez de Chorincas também entrar em jogo, o que permitiu à equipa da “linha” intensificar cada vez mais a sua pressão, algo que viria a render frutos, quando Paulo de Jesus reduz a desvantagem da sua equipa, na sequência de uma vistosa “picadinha” vindo por detrás da baliza, e batendo pela 1ª vez o jovem Bernardo Antunes.
Seria então com 2-1 no placard, que as equipas regressariam aos balneários para um merecido descanso.
Ambas as equipas regressam com os mesmos jogadores que terminaram o 1º tempo, com a diferença de na Física todos eles serem totalistas desde o apito inicial da partida.
Talvez tentando explorar o maior desgaste adversário, o Oeiras volta a entrar mais acutilante na partida, dificultando as transições adversárias, através de uma excelente reacção dos seus jogadores à perca de bola. Ainda assim os homens da casa iam conseguindo conter este empertigamento adversário e seriam mesmo eles a ampliar a vantagem para 3-1, na sequência de um LD (a penalizar um cartão azul mostrado a Paulo Jesus, por uma entrada fora de tempo a um adversário) convertido por André Gaspar.
Faltavam 18m30s para o final e Rui Vieira, não perde tempo, em recolocar Garção em pista e pedir pressão a todo o ringue. André Gil reage, tentando iniciar a gestão da sua equipa, colocando o jovem Bernardo Mestre em pista e dando descanso a Garrancho.
O tempo ia passando mas o Oeiras não conseguia materializar em golos o seu maior ascendente, esbarrando quase sempre na excelente organização defensiva adversária e na segurança do jovem guarda-redes Bernardo Antunes.
A meio deste 2º período, é assinalada a 10ª falta de equipa do Oeiras, mas desta feita é “Toni” quem leva a melhor, evitando o ampliar da desvantagem da sua equipa.
À entrada nos 10 minutos finais do jogo, é tempo de ser assinalada a 10ª falta de equipa da Física, mas também aqui o marcador não se alterou, pois André Garção rematou por cima da baliza.
Esta situação não faz esmorecer a equipa forasteira, que continua a pressionar a toda a pista, condicionando cada vez mais a saída para ataque dos anfitriões.
Já nos últimos 5 minutos de jogo, é a vez de Garrancho ser admoestado com cartão azul, por uma falta sobre Paulo Jesus, sendo mesmo o fogoso avançado do Oeiras a reduzir de novo para diferença mínima, transformando em golo o LD, com um excelente remate enrolado ao ângulo superior esquerdo da baliza.
Instantes depois surge a 15ª falta de equipa do Oeiras, sendo de novo Gaspar chamado à conversão, que acabaria por não acontecer, pois o árbitro entendeu que o avançado Torriense infringiu os 5 segundos que dispõe para iniciar a marcação da penalidade, dando dessa forma de novo a posse de bola ao Oeiras.
O jogo estava ao rubro, quando “Carlitos” é admoestado com Azul, faltava 1 minuto para o final, mas desta feita Paulo Jesus desperdiça essa soberana oportunidade para empatar um jogo que acabaria por sorrir aos anfitriões, que assim descolaram do seu adversário na classificação.
Esta 10ª jornada que encerrou calendário competitivo de 2016, acaba por confirmar o enorme equilíbrio existente nesta Zona Sul da 2ª Divisão, sendo que Marítimo, Física, Grândola, Parede e Oeiras, todos afastados por apenas 4 pontos, se perfilam como os principais candidatos à subida, uma vez que o líder SL Benfica “B” não entra nessas contas.

Fotos de Vítor Valente

workshops para rodapé Noticias ExtensãodeSobrancelha