a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

FC Porto vence Deportivo ...

sexta , Ago. 19 2022
29

Águias vencem OC ...

sexta , Ago. 19 2022
37

Frederico Mascarenhas ...

sexta , Ago. 19 2022
36

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
62226

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
31099

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
25237

UDC Nafarros procura um ...

domingo , maio 21 2017
2106

Águias com teste difícil ...

sexta , Jan. 23 2015
2147

Contas aprovadas em ...

domingo , Jun. 28 2020
725

Curso Unhas de Gel Profissional 25h ed

ngE3E24BC4 BED7 4A7A 89E3 543F5FE31A26

De maravilha em maravilha até ao mítico número de sete, tantas quantas as Maravilhas do Mundo Moderno: o hóquei em patins do Sporting CP vai lutar este fim-de-semana pelo sétimo título europeu da história, procurando revalidar a Taça CERS conquistada de forma brilhante no ano passado na Catalunha. “Temos de ser optimistas, respeitando sempre os adversários. Falar assim é fácil para mim, mas a verdade é que somos Sporting CP e este Clube entra para ganhar qualquer troféu em disputa. É essa a nossa história, o nosso ADN”, destaca o técnico Nuno Lopes na antecâmara da competição que arrancará no sábado às 19 horas com o encontro entre OC Barcelos e os italianos do Matera, a que se seguirá a meia-final dos ‘leões’ diante dos espanhóis do Vilafranca (21h45).
Tem tudo a ver sobretudo com a gestão de expectativas e este ano é curioso ver que os papéis estão um pouco invertidos. No ano passado éramos olhados de uma forma desconfiada e não partíamos como favoritos porque esse papel estava sobretudo com o Réus; este ano, é no Sporting e no OC Barcelos, também por jogar em casa, que recaem maiores atenções. No hóquei, o momento faz grande diferença e esta Final Four será muito assim. A nossa forma de jogar este ano é completamente diferente. Na última época, ou ganhávamos ou perdíamos por margens muito curtas, ao passo que esta temporada vemos uma equipa mais ofensiva e com resultados mais dilatados. Existe outra experiência no nosso plantel e temos jogadores que já venceram antes provas internacionais e que nos momentos certos estão ali para decidirem. Mas a vitória nesta Taça CERS será muito pelo espírito, pela entrega e pela atitude da equipa, à semelhança do que aconteceu fora com o OC Barcelos e a Oliveirense, na Supertaça e na segunda parte deste último jogo com a Juv. Viana”, explica o técnico ‘verde e branco’, antes de apontar as chaves dos 25 minutos finais do último jogo que deverão ser transportadas para a Final Four no Pavilhão Municipal de Barcelos: “A equipa já tinha estado muito bem no plano defensivo em Oliveira de Azeméis, onde só não ganhámos por manifesto azar e mais qualquer coisa... Como não podíamos ter uma carga muito grande esta semana, fizemo-la antes do jogo com a Juv. Viana, onde a primeira parte não correu queríamos. No entanto, o segundo tempo teve aquele empenho que estava a faltar um pouco, marcámos seis golos e provámos que, quando as coisas correm bem no plano colectivo, as individualidades começam a aparecer e é terrível para os nossos adversários”.
Em relação ao jogo com o Vilafranca, Nuno Lopes não antevê facilidades, relativiza o actual nono lugar dos espanhóis na OK Liga e destaca também os bons resultados feitos pelo conjunto contra equipas de maior poderio como Barcelona, Vic ou Liceo. “Tem tudo a ver com o assumir do jogo e existem vários casos no Campeonato que também são assim. O Vilafranca é uma equipa tipicamente catalã na sua forma de jogar, com três/quatro jogadores fortes no plano individual e que faz a diferença nas bolas paradas, livres directos e ‘penalties’. Será um adversário organizado, fiel aos seus princípios de jogo e que tentará manter a partida equilibrada para depois fazer a diferença com o Edu Fernández e o Rocasalbas nas bolas paradas. Estamos precavidos para essas situações e tentaremos contrariar isso com o nosso jogo. Olhar apenas para a classificação é um erro porque pode tirar o foco do que é mais importante. Tentaremos não cair nesse erro e estamos preparados para todos os cenários”, salienta, antes de deixar uma palavra para os muitos Sportinguistas do Norte ou que irão rumar para cima no sábado: “É um factor determinante sobretudo para os jogadores, que sentem mais responsabilidade de dar alegrias a quem está com eles em todo o lado”.

Fonte- www.sporting.pt

workshops para rodapé Noticias ExtensãodeSobrancelha