a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

FPP- Nomeações para 5 de ...

terça , Out. 04 2022
23

“É uma partida onde ...

terça , Out. 04 2022
11

“Jogamos em casa, com os ...

terça , Out. 04 2022
8

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
62492

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
31369

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
25398

Seleção Espanhola já ...

terça , Jun. 14 2016
2282

Águias vencem nos ...

quarta , Nov. 26 2014
2202

CF Estremoz com ...

quarta , Ago. 26 2015
1911

1 9 Cabeleireiro unissexo 3 Outubro

PA180772

Este Domingo o Pavilhão da Embra recebe a partida relativa à 18.ª jornada entre o SC marinhense e a juventude Ouriense, um dos jogos que mais expectativas está a provocar nesta ronda.
O Marinhense vem de uma derrota de Torres Vedras frente à equipa B da AE Física D, a primeira para o conjunto orientado por “Esteves” e vai querer deixar a “pele” em campo para voltar aos triunfos.
Do outro lado está uma equipa a atravessar um momento menos bom, e que soma já três jogos sem vencer (com duas derrotas e um empate pelo meio). Na última jornada recebeu em Ourém o Oliveira do Hospital e perdeu por 10-6.
A equipa vai-se apresentar desfalcada, sem o seu goleador mor Gonçalo Favinha e o guardião habitualmente titular, Bruno Aires, mas a responsabilidade de tentar fazer o melhor num jogo está patente nas palavras do seu capitão, Hélder Ferreira.
A partida na Marinha é um jogo em que o favoritismo total está da parte deles porque são a melhor equipa, tem os melhores jogadores, é em sua casa e nós vamos desfalcados sem o Favinha e o Bruno Aires, os dois devido a compromissos profissionais, e nós como equipa amadora sem qualquer remuneração, temos que estar preparados para isto pois pode acontecer, mas de qualquer forma vamos à Marinha para fazer o melhor possível e isso seria não perder o jogo, mas sabemos que vai ser muito complicado”, começou por nos dizer.
O experiente jogador do Ouriense aproveitou para explicar também o porquê deste momento menos bom, mas ainda assim o optimismo relativamente ao grupo é grande, mostrando ao mesmo tempo a realidade que o Clube vive no que toca ao grupo de trabalho e as ambições do mesmo.
Nos quando começamos o campeonato sabíamos que ia ser bastante difícil pois sabíamos a nossa realidade, em que só treinamos 2 vezes por semana muitos dos treinos não temos os atletas todos uns por motivos profissionais, outros académicos mas mesmo assim penso estarmos a fazer um bom campeonato e era isso que queríamos sem ter como objectivo a subida como todos diziam por aí”, concluiu.

workshops para rodapé Noticias AutoManicura