a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

2.ª D- Norte- Marinhense ...

segunda , Jan. 20 2020
54

HCP Grândola conquista ...

segunda , Jan. 20 2020
68

2.ª D- SC Tomar passa ...

segunda , Jan. 20 2020
72

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
58033

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
25921

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
20654

CP Sobreira é o primeiro ...

sábado , Dez. 13 2014
2378

Convocatória da AP Minho ...

quarta , Mar. 01 2017
1169

Gonçalo Alves renova até ...

quarta , Nov. 01 2017
838

interioresPOUPA BARB J

FCPReinaldoVentura

O capitão Reinaldo Ventura, tal como Tó Neves, Barreiros, Caio e Pedro Moreira, deixou palavras de apreço aos adeptos num dia de emoções.

Final de tarde de sentimentos à solta no Dragão Caixa, com o empate com o Valongo (6-6) a passar para segundo plano face à despedida do clube de Reinaldo Ventura, Pedro Moreira, Caio, Ricardo Barreiros e do técnico Tó Neves. Com emoções bem visíveis no rosto de cada um, ficou o agradecimento aos adeptos e a tristeza por não terem deixado o clube com mais um título a adornar as vitrinas do Museu.

O capitão Reinaldo Ventura falou de um “conjunto de sensações difíceis de descrever”: “É lógico que é um sentimento estranho, diferente de tudo aquilo que já senti até hoje, porque normalmente os fins de época ou são de festejos ou de desilusão e este ano, além da desilusão, também foi a despedida do meu clube e dos meus adeptos. Tudo era mais bonito se acabássemos com o título, ou com a Liga Europeia na mão e esse é o único amargo que levo comigo. Tivemos a dedicação e a entrega de sempre e saio de cabeça erguida, de consciência tranquila, porque fiz tudo para conseguir dar títulos a este clube e, nesse aspeto, saio satisfeito”. O avançado não escapou ao afeto dos adeptos no final e disse sentir-se sempre apoiado por eles: “Foi um dia especial, por tudo; tenho noção que existe um carinho especial dos adeptos, por saberem que abdiquei de muita coisa para ficar no meu clube do meu coração. A ligação algum dia tinha de acabar, acabou assim e é como eu disse: seguir em frente e tentar ser feliz. Acho que somos um clube bairrista e só todos juntos é que conseguiremos ter força para ganhar títulos e elevar este clube a outro nível. Espero que isso não se perca”.

Já Tó Neves não fugiu a “um dia de emoções”: “Havia quatro jogadores que se iam despedir do FC Porto e isso era o mais importante, terem a possibilidade de terem uma boa despedida. Queríamos ganhar, queríamos deixar uma boa imagem e, infelizmente, não conseguimos. São aqueles jogos difíceis, na ressaca de sermos eliminados pelo Vic no golo de ouro, em que a nossa época pratica mente acabou. Foi uma ‘facada’ muito forte e este foi o FC Porto possível no final desta época. Foi sempre um FC Porto sério”. No final desta época, o técnico deixou uma palavra para os adeptos: “Eles são sempre aquilo de que o clube é feito: o clube existe porque há adeptos, e portanto eles merecem tudo do mundo. Eu também sou um adepto e também mereço ser Porto e eles também merecem ser Porto”.

Mais parco em palavras, mas igualmente emocionado, Pedro Moreira lembrou os 18 anos de ligação ao FC Porto na hora da despedida: “É o clube do meu coração e é normal que, do principio ao fim do jogo, tenha estado nervoso e ansioso. Foram muitos sentimentos aqui presentes, muitas memórias, mas a vida é assim mesmo. Para os adeptos, para o clube, como aos meus colegas destes anos todos, queria dizer muito obrigado. Era só”.
Ricardo Barreiros lamentou que a equipa tenha terminado a época “sem conquistar” aquilo que a que se tinha proposto e disse ter pena de não ter dado uma última alegria aos adeptos no jogo deste sábado: “Penso que controlámos bem as emoções neste jogo, mas a verdade é que acaba sempre por influenciar. Foi um bom espetáculo e foi pena não termos ganho. É o desporto e as coisas acontecem como têm de acontecer. Não controlamos tudo e isto coincide com o terminar de um ciclo, pelo que foi pena terminar assim esta época. Acima de tudo, estou orgulhoso por ter feito parte deste clube e de maneira nenhuma quem passa aqui pode ficar indiferente. Queria agradecer a todas as pessoas por, durante estes anos todos, terem estado presentes e nos apoiarem, sobretudo quando estivemos menos bem, que eu acho que é a grande diferença de quem é adepto do FC Porto e de outros clubes”.

Por fim, Caio falou de um “sentimento de frustração e de tristeza” por “não conseguir trazer nenhum título para o clube”: “Tudo fizemos para que este ano fosse diferente, mas não aconteceu e há que olhar em frente. Acredito que mesmo indo embora este ano, que o FC Porto voltará ao seu ADN, que é vencer. Foi um ano atípico. Sabíamos que, neste jogo, muita coisa estava envolvida e estas semanas têm sido difíceis, pois sentimos cada vez mais o dia a chegar. Foi hoje, demos tudo para que o resultado fosse diferente e, infelizmente, não conseguimos. Só uma palavra para os adeptos: obrigado. E até um dia”.

Fonte|Foto: FC Porto