a c e b o o k
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Bernardo Ramalho reforça ...

Segunda-feira , Jul 04 2022
92

Termas OC com 3 reforços

Segunda-feira , Jul 04 2022
131

Francisco Beirante é ...

Segunda-feira , Jul 04 2022
90

Hóquei fica mais pobre

Segunda-feira , Jul 30 2018
62106

Patinagem reconhecida ...

Segunda-feira , Nov 09 2015
30899

CM Feminino- Portugal ...

Sábado , Out 01 2016
25047

FC Oliveira do Hospital ...

Sexta-feira , Ago 24 2018
1244

Taça Cers - Miguel ...

Quinta-feira , Out 30 2014
3262

2.ª D- Sul - Tigres ...

Domingo , Out 29 2017
2098

massagista inicial

nleb

Edo Bosch e Nuno Lopes destacam equilíbrio na final four da Liga Europeia de hóquei em patins.

Os treinadores de Valongo e Sporting de Tomar, que se defrontam no sábado, nas meias-finais da final four da Liga Europeia de hóquei em patins, em Torres Novas, esperam uma prova "equilibrada" entre "equipas equiparadas".

Para além das duas equipas portuguesas, participam na "final four" as formações italianas do Trissino e Sarzana, orientadas pelos irmãos Alessandro e Mirko Bertolucci, respetivamente, que se defrontam na outra meia-final.

"Vai ser uma final four muito equilibrada. Jogamos várias vezes com o Sporting de Tomar, conhecemo-nos bem, são sempre jogos equilibrados, assim como Trissino e Sarzana se conhecem bem. São quatro equipas muito equiparadas e qualquer uma pode ser campeã", disse à agência Lusa o técnico do Valongo, Edo Bosch.

Para o treinador espanhol, "às vezes não é uma questão de quem é favorito, mas da equipa que tiver um bocado mais de sorte no fim de semana" em que decorre uma prova deste género: "Ter inspiração é fundamental e isso pode fazer a diferença, quando as equipas são muito equiparadas."

Edo Bosch, antigo guarda-redes do FC Porto, reencontra em Torres Novas os irmãos Bertolucci, que nessa mesma cidade, há 16 anos, conquistaram a Liga Europeia para o Fallonica, numa edição disputada sob a forma de liguilha e que os "dragões" terminaram em segundo.

"Os irmãos Bertolucci, na altura, foram campeões, em Torres Novas, eu estava lá [pelo FC Porto], mas isso vale o que vale. Quando o árbitro apita, quem controlar melhor a ansiedade e tiver inspiração individual pode levar o troféu para casa", disse.

O treinador do Sporting de Tomar, Nuno Lopes, disse que "as expectativas da equipa estão no máximo, para este momento único para o clube e para os emblemas que estão na "final four", e o desejo é o mesmo de sempre, querer ganhar".

"Em 100 anos de história nunca o SC Tomar esteve neste palco e é lógico que nós queremos ficar na historia do clube, apesar de já estarmos, mas logicamente só quem ganhar troféus é que consegue meter o nome no mais alto nível", referiu Nuno Lopes à Lusa.

O treinador antevê um jogo "equilibrado" com o Valongo, tal como a própria "final four", atendendo ao valor das equipas em prova, e, respeitando ao máximo os adversários, acredita que o Sporting de Tomar "pode ser feliz este fim de semana".

"É uma final, independentemente dos resultados anteriores. Quando se tratam de finais são jogos muito próprios, especialmente para os atletas, em que o lado emocional pesa muito nestas alturas. Vai tudo da forma como começa o jogo", disse.

A presente edição da Liga Europeia é marcada pelas ausências do Sporting, FC Porto, Oliveirense, Benfica e Óquei de Barcelos (Portugal), Barcelona, Liceo da Corunha, Noia, Réus e Caldes (Espanha), Saint-Omer (França) e Forte dei Marmi (Itália), em desacordo com o novo formato competitivo.

Os treinadores Edo Bosch e Nuno Lopes desvalorizam a situação, mas admitem que o hóquei em patins está a passar por um pequena crise, quer a nível de clubes quer de seleções, concordando ambos com a necessidade de uma intervenção na modalidade.

"A ausência dos principais nomes do hóquei não abona nada em favor da modalidade, mas a verdade é que está [na Liga Europeia] quem quis estar e, dentro de uns anos, ninguém se vai lembrar se estava A, B ou C. Quem se sagrar campeão será campeão por mérito próprio", defende Edo Bosch.

Para Edo Bosch "existe um problema no hóquei em patins neste momento e, tanto a nível federativo como de clubes, é necessário deixar de olhar para o umbigo e fazer o melhor pela modalidade".

"Sinceramente, todos os que andam no hóquei lamentam quando há divergências e as coisas não terminam da melhor forma. Mas temos que viver o momento, que é nosso", disse Nuno Lopes, desvalorizando a ausência das principais equipas.

Para Nuno Lopes, o clube "passa ao lado da polémica", embora seja um assunto que mereça de todos a "máxima atenção", e aponta que "não é fácil para o Sporting de Tomar voltar a este patamar", pelo que tem que "viver este momento único".

Fonte- Jornal “O Jogo” * Fotos- Jornal “O Jogo” / João Flores

cabeleireiro inicial