a c e b o o k
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Paulo Freitas- “Temos ...

Quarta-feira , Nov 20 2019
13

Bruno Guia- “o nosso ...

Quarta-feira , Nov 20 2019
11

Lucas Ordoñes- “é um ...

Quarta-feira , Nov 20 2019
24

Hóquei fica mais pobre

Segunda-feira , Jul 30 2018
57606

Patinagem reconhecida ...

Segunda-feira , Nov 09 2015
25527

CM Feminino- Portugal ...

Sábado , Out 01 2016
20340

UD Vilafranquense ...

Quinta-feira , Mar 03 2016
963

SC Tomar – Valença HC – ...

Domingo , Jun 05 2016
1475

1.ª Divisão- Conclui-se ...

Quarta-feira , Nov 30 2016
1029

interioresinteriores

75210336 2453261674723035 3994350517634465792 n

O Pavilhão Municipal “Cidade de Tomar” recebeu este sábado o jogo mais importante da 2.ª jornada do nacional da 2.ª divisão com o SC Tomar a receber o S Alenquer B, duas das mais fortes equipas desta zona e com ambições naturais na luta pela subida de divisão, com a vitória a sorrir aos leões por 3-2.
Num Pavilhão com excelente moldura humana que vibrou de principio a fim com as incidências da partida, triunfo da equipa tomarense por 3-2 num jogo intenso, dividido e com o resultado a estar em “suspense” até ao ultimo segundo do encontro.
Não podia começar melhor para o SC Tomar que logo ao segundo minuto inaugurava o marcador por João Sardo numa jogada individual que surpreendeu o guardião visitante.
Golo que motivou os ribatejanos que aos 4 minutos poderiam aumentar a parada, mas Ruben Sousa a não conseguir desfeitear “Danny” Machial na marcação de uma GP, mas com um SC Tomar a ser mais “mandão” perante um Alenquer algo abalado com o golo sofrido, mostrou-se nesta fase algo permeável permitindo aos tomarenses algumas situações de muito perigo junto da baliza visitante.
Com o correr dos minutos o Alenquer equilibrou e aos 14 minutos dispõe de uma GP mas João Oliveira não conseguiu dar o melhor caminho à bola com a primeira parte a terminar alguns minutos depois com um Alenquer mais solto e a mostrar-se mais perigoso.
Segunda parte a começar quase como terminara a primeira parte, com o Alenquer mais arisco e logo ao segundo minuto da etapa complementar “Xanoca” a fazer falta passível de LD que André Garção não conseguiu concretizar. Hernâni Diniz dispõe quase de seguida de um LD (10.ª falta do SCT) mas não concretiza, mas no minuto seguinte chega mesmo ao 2-0 por João Sardo na marcação de um LD após um Azul mostrado a Dário Santo.
Esperava-se, a partir daí, que o SC Tomar soubesse gerir esta vantagem de dois golos, mas não foi o que aconteceu. A equipa tomarense nunca se mostrou tranquila e o Alenquer, de forma inteligente, soube tirar partido disso. A equipa de Ganchas, sempre com muitas preocupações defensivas, espreitava os erros ofensivos dos tomarenses para criar perigo, por norma em transições rápidas. E foi assim que o Alenquer chega ao 2-1, aos seis minutos por Pedro Lourenço, a sair rápido e numa jogada individual de grande classe a colocar a “redondinha” no fundo das redes da baliza de Diogo Alves. Golo que galvanizou o Alenquer, perante um SC Tomar nervoso e sem ideias, e o empate veio logo a seguir, mais uma vez num erro ofensivo leonino, a equipa de Alenquer a sair rapidíssima para o contra ataque e a chegar ao 2-2 por Garção.
Prémio para o labor do S Alenquer B e um balde de água fria para os SC Tomar, a sofrer de forma desnecessária, mas muito por demérito seu.
Seria mesmo o AS Alenquer B a poder ganhar vantagem, mas João Oliveira não conseguiu concretizar o LD que dispôs após a 10.ª falta leonina e seria João Sardo aos 15 minutos a dar alento ao SC Tomar ao fazer o 3-2 de LD apôs a 15.ª falta do SAB.
Até final, nervos à flor da pele. Se de um lado estava uma equipa, que mesmo a vencer, tremia que nem varas verdes, do outro estava um conjunto sedento de fazer a remontada e percebia o “tremor” que grassava no lado dos leões, que sem ideias iam tentando resolver de forma individual as situações de ataque.
E nos minutos finais a aparecer, também, a “tremideira” da dupla de arbitragem, se já não chegasse o que acontecia nos dois lados da barricada. Decisões muito contestadas, em particular do lado do Alenquer, mas o certo é que o SC Tomar neste período acaba por beneficiar de três bolas paradas, que poderiam ter descansado as hostes leoninas, mas até nessa fase, os stiques “tremeram” na cara de Machial, acabando sem sequências para a baliza do Alenquer.
O que fica deste jogo é um triunfo justo do SC Tomar, é certo, mas sofrido, de uma equipa que acabou por ser sofrível em muitos momentos do encontro e que deixou uma imagem de uma formação sem ideias e a viver de momentos. O Alenquer que chegou a Tomar sem algumas pedras influentes (por lesão e castigo) sabia ao que vinha, tinha a lição bem estudada e por pouco não conseguiu sair das margens do nabão com pontos.

Domingo