a c e b o o k
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Ricardo Cardoso- “O que ...

Sexta-feira , Dez 06 2019
383

Pedro Gil- “Esperamos ...

Sexta-feira , Dez 06 2019
60

Jordi Adroher- “Estar ao ...

Sexta-feira , Dez 06 2019
48

Hóquei fica mais pobre

Segunda-feira , Jul 30 2018
57704

Patinagem reconhecida ...

Segunda-feira , Nov 09 2015
25621

CM Feminino- Portugal ...

Sábado , Out 01 2016
20392

FPP- Selecções para ...

Sexta-feira , Ago 11 2017
1212

Torneio Internacional HC ...

Quinta-feira , Jun 09 2016
1277

Frederico Neves a ...

Sexta-feira , Jul 13 2018
1307

interioresinteriores

10501629 715393458526579 244933204677204643 nLuís Nascimento dá um murro na mesa e ameaça abandonar, se algo não for feito de futuro.

O Presidente da AP Lisboa, está desgastado com todo o processo, em particular com a conduta da AP Setúbal que considera de “Má organização, incompetência, falta de respeito…”, para com os Clubes do regional de Lisboa.
“Após termos tido conhecimento da deliberação da FPP relativamente ao processo das equipas de Sub-17 e Sub-20 para integrarem o regional que Lisboa está a organizar, falamos com Luís Nascimento, o Presidente da AP Lisboa para sabermos a sua opinião sobre este imbróglio”.
E Luís Nascimento, foi contundente, na forma como descreveu toda a envolvência a este assunto, em particular a forma como a AP Setúbal geriu o processo.
Há uma deliberação da FPP, nós em prol da modalidade vamos acatar a directiva federativa no entanto é de lamentar que só a dois dias de se iniciarem as provas regionais organizadas pela APL é que temos uma deliberação da FPP, mas que compreendemos e reconhecemos que na realidade a culpa não é da Federação. Estamos completamente de acordo e sensíveis com as razões que levaram a esta decisão, por parte da FPP. Até à data da recepção da deliberação da FPP não tinhamos tido nenhum contacto por parte da Associação de Patinagem de Setúbal, o que revela para nós uma grande falta de respeito, pois sabendo que tinham um problema em mãos, tiveram oportunidade de nos contactar. Não nos contactaram ou não quiseram, nem sequer um email para nos alertar ou a pedir ajuda na resolução do problema. Poderiam ter tentado encontrar uma solução, pois nunca a APL se recusou a dialogar e a encontrar soluções e sempre cultivou um bom relacionamento entre as instituições, nomeadamente as Associações e os Clubes em prol do desenvolvimento da patinagem e dos interesses dos Clubes e Atletas. Sabendo de antemão que as provas teriam o seu início a 13/14 de Setembro e com sorteios e calendário elaborados, assim como, as nomeações feitas. Que credibilidade e imagem de organização estamos a dar quando, agora, a dois dias do início das provas vamos alterar os calendários e a planificação dos Clubes? Eu diria mesmo, que estamos a prejudicar quem está organizado porque outros não se souberam organizar em defesa dos seus clubes. Todos sabem que esta não é a melhor forma de defender a modalidade. Nunca recusámos a participação de qualquer clube da região de Setúbal, Alentejo ou do Algarve nas nossas provas, quando muitas das vezes os clubes de Setúbal são proíbidos de participar nas nossas provas e torneios particulares organizados pelos clubes de Lisboa. É desta forma que se trabalha em prol dos Clubes?" referiu Luís Nascimento.
Questionamos o Presidente da AP Lisboa para saber se esta inclusão tão tardia das equipa de Setúbal e Alentejo não colocariam em causa o trabalho já delineado para arrancar já este fim de semana e Luís Nascimento foi claro: 1282172477 APL nascimento
Com isto tudo prejudicam altamente a organização, a planificação de todos os Clubes de Lisboa, Ribatejo e Leiria, que neste momento já tem todas as suas planificações feitas, os seus espaços reservados nos Pavilhões municipais e até conjugado os horários das diversas categorias, e depois criam um grande problema a todos os clubes de Leiria, Ribatejo e Lisboa. É sem dúvida, e uma grande falta de respeito e contrário a todos os princípios éticos que temos vindo a cultivar e a servir de conduta para um bom relacionamento. Acabou por a FPP, a mais uma vez, a remediar um problema, que existe à alguns anos e que como já alertei, vai continuar a acontecer. Continua a não ser criada a solução para um problema que neste momento existe e que não é em Lisboa, nem no Ribatejo ou em Leiria.
E muito estranhamos como é que às 14.53 de 12 de Setembro (quarta-feira) recebemos por e-mail a deliberação da FPP sobre este assunto e às 15.31 recebemos um e-mail da AP Setúbal a dizer que no seguimento do email da FPP a solicitar a integração das equipas de Sub-17 e Sub-20 da AP Setúbal e nem sequer pedem desculpa aos Clubes de Leiria, Ribatejo e Lisboa pelo transtorno nem pelos danos causados.
É uma forma de estar no Desporto que não é a minha, sabemos que estamos certos do que fazemos e acabamos por ser penalizados. Não é de certeza, o que pretendo, nem quero enganar os Clubes que se associam aos nossos Valores".
Perguntamos como será agora no que toca aos calendários de jogos, e se terão que ser reformulados ou não?

Na minha opinião tem, porque senão vamos privilegiar Clubes que devemos privilegiar.
Mas o que é quase certo é que os Clubes de Lisboa vão ficar revoltados, porque tem cultivado nas últimas épocas o envolvimento, a ética e na realidade acaba por ser um prejuízo pela boa vontade, pelo empenhamento que sempre demonstraram, em conjunto com Ribatejo e Leiria. Isso ninguém pode escamotear.
Temos cultivado a solidariedade e vamos acabar por nos sentir prejudicados por tudo isto.
Má organização, incompetência, falta de respeito, tudo o que nós podemos quantificar.
Quero ressalvar, que os Clubes de Setúbal, Alentejo e Algarve não tem culpa. Nós não estamos contra eles, nós estamos é contra a forma como todo o processo foi conduzido pela AP Setúbal, porque não sabem estar no desporto. Não é esta a forma de estar no desporto, e se a Federação não tem uma mão pesada relativamente a isto, digo-lhe com toda a sinceridade, isto não é para mim. Eu que sou defensor de determinado tipo de valores e de respeito por todos, isto não é para eu estar aqui, porque na realidade não se dá valor a quem cultiva este tipo de valores, mas sim a quem anda aqui a brincar com os Clubes e com o hóquei em patins. Isto é brincar com tudo e com todos e fazer um mau trabalho para a modalidade e um mau trabalho para o desporto. Não é de admirar que o número de praticantes esteja a diminuir”.
Palavras duras de Luís Nascimento, que acabam por ser abrangentes e levam a muitas mais perguntas sobre o futuro das Associações.